26 de fevereiro de 2014

Batman em perigo

Ruy Castro Você sempre o vê na TV: o homem que se fantasia de Batman e aparece em todos os protestos cariocas dando o seu apoio à causa daquele dia. As câmeras já se cansaram dele, mas é difícil não notá-lo entre os manifestantes, com seu uniforme de super-herói. Pois esta é uma característica simpática do nosso Homem-Morcego – é plácido, pacífico, platônico. Nunca foi visto jogando uma pedra, quebrando uma vitrine ou matando alguém. Por estar mascarado e de preto, poderia ser confundido com um "black bloc", mas as orelhas em ponta, a capa esvoaçante e a cueca por cima das calças, típicas do personagem, o ilibam. É uma fantasia tão apropriada para uma passeata quanto para sair num bloco de Carnaval. Confesso que, no começo, eu discordava de sua opção pelo Batman. Preferia que se fantasiasse de Jerônimo, o Herói do Sertão –imortal criação do Moyses Weltman na Rádio Nacional dos anos 50–, ou de Saci Pererê, muito mais nossos. Mas pensei melhor e concluí: se o Ibope ouvir hoje milhões de jovens brasileiros de qualquer grotão, condição social ou idade, o grau de reconhecimento de Batman sobre Jerônimo ou o Saci Pererê será de dez a zero. É esse o grau da nossa desnacionalização. E, depois de saber que, em sua identidade secreta, o querido Batman é de profissão protético, minha simpatia por ele aumentou. Protético é o profissional da odontologia que confecciona incisivos, molares e caninos perfeitos. É um trabalho de grande precisão, delicadeza e, por que não, beleza. Conheço um protético, o Marquinhos, que é quase um Lalique da especialidade –e se orgulha disso. Desde então, passei a me preocupar com o Batman carioca. Temo que, um dia, ao brincar de sair às ruas para protestar, ele não consiga escapulir de um corre-corre e leve a pior por causa de um covarde armado com um rojão. Fonte: O Globo, 14 de fevereiro de 2014.

Nenhum comentário: