24 de maio de 2008

Bat-release de 2005 em português


DICIONÁRIO DO MORCEGO
Jornalista lança guia com 1,5 mil verbetes sobre Batman, o herói multimídia

As muitas versões e todos os detalhes que formam o universo do mais popular herói dos quadrinhos estão agora ao alcance da mão. Escrito pelo jornalista Sílvio Ribas, o DICIONÁRIO DO MORCEGO desvenda Batman ao longo de quase 1,5 mil verbetes. O livro é resultado da pesquisa que o autor desenvolve desde criança, como colecionador de informações sobre o famoso ícone da cultura pop.

Desde vilões e aliados clássicos do Cavaleiro das Trevas – como Robin, o mordomo Alfred, Coringa, Pingüim, Charada e Mulher-Gato – até nomes de pessoas e lugares inspirados na lenda, as 276 páginas do glossário trazem minuciosa sondagem de tudo que se refere ao Homem-Morcego. Mais do que um catálogo de autores, obras e personagens, o livro contempla também citações, paródias e alusões. “Quis escrever o mais amplo guia em língua portuguesa sobre Batman em seus 66 anos de história e nas mais diferentes mídias”, diz Ribas.

A obra de perfil inédito chega às estantes ao mesmo tempo que se começa a chamada terceira onda da Batmania, deflagrada com a estréia do filme Batman Begins em salas de exibição de todo o mundo. As duas primeiras ondas foram ancoradas no seriado televisivo de 1966 e no filme que inaugurou a série, em 1989. O resultado delas é que até mesmo quem nunca leu os gibis reconhece o herói e seus símbolos.

Batman é o mais lucrativo, reproduzido e adaptado produto da indústria do entretenimento de todos os tempos, sem mencionar os inúmeros textos acadêmicos e usos de sua marca em empresas, eventos e até movimentos políticos. Para ilustrar isso, o Dicionário do Morcego lista os números bilionários do defensor de Gotham City.

Nas infindáveis encarnações da obra-prima da dupla Bob Kane e Bill Finger, se incluem o mais comentado seriado de TV, a mais famosa femme fatale, a maior bilheteria do cinema até a década de 80, o mais prestigiado desenho animado da história, o mais antigo título de revista em quadrinhos ainda em circulação, a mais influente obra da indústria dos quadrinhos, o maior número de artigos licenciados, o mais famoso carro do mundo, a fantasia preferida dos garotos e o maior impulso na carreira de muito artista. Interessados no livro podem, assim, ter não apenas um compêndio de consulta fácil, mas o exemplo de quão longe uma criação artística pode chegar.

Quadrinhos, cinema, televisão, desenho animado, comerciais, games, rádio, brinquedos, música e curiosidades diversas. Com tal abrangência, estão entre os objetivos do livro, explica Ribas, criar um ponto de convergência entre todos os fãs e oferecer fonte imprescindível para pesquisas ainda mais aprofundadas sobre o tema e outros assuntos relacionados. Ele lembra que a obra tem tudo para atender um público ainda maior que os iniciados em Batman, servindo de material de referência para profissionais das áreas de comunicação, psicologia, história, sociologia e artes em geral.

Para redigir sua enciclopédia batmaníaca, Ribas se valeu de seus meticulosos arquivos pessoais, da leitura de dezenas de livros nacionais e estrangeiros e o diálogo permanente com aficionados, conforme mostra a bibliografia. Ele presenteia o leitor ainda com a mais completa cronologia, desde The Bat-Man (maio de 1939) até Batman Begins (junho de 2005). "O livro ajuda a compreender as razões do fascínio de tanta gente pelo herói sem superpoderes, além de ser uma leitura divertida para especialistas ou simples curiosos", diz. Antes dos tópicos, o autor faz análises sobre a lenda construída com papel, celulóide e meios digitais, que empregou o talento de milhares e despertou a paixão de gerações inteiras. "Batman é a prova do poder da força de vontade", resume.


VERBETES CURIOSOS

POSTO DO BATMAN É assim também conhecido, na praia de Camburi, em Vitória (ES), o quiosque Batman, devidamente identificado com o logotipo do herói. O local é ponto de agitação cultural e turística da capital capixaba.

BAT-ANALISADOR DE SOPA DE LETRINHAS Equipamento que o Homem-Morcego usou durante episódio que combatia o Cabeça de Ovo (Vincent Price) no seriado da TV Batman (1966-1968). É mais uma prova do espírito non sense do programa.

KEVLAR Material resistente a balas e a objetos cortantes, que é usado para revestir uniformes e máscaras de Batman e de seus parceiros. A fibra para-aramida Kevlar foi desenvolvida pelos laboratórios da DuPont, tem resistência a altas temperaturas, com proteção mecânica contra cortes. Segundo o catálogo do fabricante, pode ser usada para a confecção de mangotes e luvas de segurança, coletes à prova de bala, blindagem, entre outras aplicações.

BATMAR Pernambucano, formado em direito, dono de padaria e morador do Recife, Edmar de Oliveira, se vestiu de Batman para pedir votos. Então com 35 anos, ele foi candidato a deputado federal pelo PL nas eleições de 1994. Fez campanha usando roupas do Homem-Morcego e transformou seu Dodge Magnun 79 em batmóvel. Nas suas caravanas estava acompanhado de Robin, “batgirls” e do Coringa. Ele dizia que esse último representava os vilões da política brasileira. Na roupa do palhaço do crime ele via Fernando Collor, PC Farias e o deputado João Alves. Fã de Batman desde criança, Edmar registrou o nome Batmar no Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco.



SOBRE O AUTOR
O jornalista mineiro Sílvio Ribas, 35, prefere ser visto como“estudioso do fenômeno Batman” a ser chamado de batmaníaco. Referência sobre o personagem em Belo Horizonte, onde mora, o autor de Dicionário do Morcego decidiu reunir no livro as pesquisas e análises que fez do herói nos últimos 17 anos. Na faculdade de comunicação social da PUC Minas, produziu em 1991 vídeo-documentário sobre o Cavaleiro das Trevas. Foi atuante sócio da Biblioteca Nacional das Histórias em Quadrinhos, com sede na capital, fundou com amigos o Correio Gotham, clube de intercâmbio postal de bat-fãs de Minas, São Paulo e Paraná, e sua coleção de gibis dedicada à Família Batman está em torno de 3 mil volumes, tendo participado de exposições públicas. Publicou na imprensa vários artigos sobre histórias em quadrinhos e foi entrevistado sobre Batman em reportagens de jornal, revistas e TV. Repórter, editor e comentarista econômico, começou a carreira em 1993, incluindo passagens pelo Diário do Comércio (MG) e Gazeta Mercantil (MG, SC e SP). É ganhador dos prêmios jornalísticos Abic, Caixa Econômica Federal, Fiesc e Fiat Allis, tendo realizado coberturas em diversas partes do Brasil e exterior. Assessorou a Companhia de Concessões Rodoviárias e assinou por um ano a coluna Momento Econômico, do jornal Estado de Minas, do qual é editor-assistente desde 2002.

Nenhum comentário: